teste


Na sua opinião, o Bullying pode gerar atos de violência como o ataque de quinta-feira em escola do Rio de Janeiro?

Bullying é a agressão física ou psicológica – repetitiva e intencional – praticada por um ou mais estudantes contra um colega ou grupo de colegas considerado vulnerável e incapaz de se defender. Com o avanço das tecnologias, uma nova modalidade de violência surgiu: o Cyberbullying, em que os agressores utilizam-se das tecnologias de informação e comunicação para exercer a intimidação – como mensagens de e-mail, celular e redes sociais (Orkut, Twitter, Facebook etc).

Bullying pode gerar atos de violência como o ataque de quinta-feira (7) em escola do Rio de Janeiro? Especialista americano consultado pelo jornal Folha de S. Paulo acredita que sim. “Quando as pessoas foram torturadas e não receberam ajuda, um acontecimento do dia a dia pode trazer de volta a memória de quando ela foi vítima de violência”, diz Glenn Stutzky, especialista em violência escolar da Universidade de Michigan State (EUA).

Ataques ocorridos nos Estados Unidos – como o da escola Columbine (1999) e da Universidade Virginia Tech (2007), entre outros – trouxeram à tona a discussão sobre a influência do bullying, já que nos dois casos os atiradores sofriam com a violência de colegas.

Após o ataque de Columbine, realizados por dois adolescentes, escolas americanas passaram a investir em medidas de combate ao bullying, em aconselhamentos psicológicos para as vítimas desse tipo de violência e em uma melhoria no relacionamento entre estudantes, professores e diretores.

Wellington Menezes de Oliveira, 23 – rapaz que invadiu a Escola de Realengo e matou 12 crianças –, era considerado tímido e retraído por vizinhos e ex-colegas de trabalho.

Na sua opinião, o Bullying pode gerar atos de violência como o ataque de quinta-feira em escola do Rio de Janeiro? Deixe abaixo o seu comentário!


Tags:

Um Comentário

  1. Sofri Bullyng aos 12, 13, 15 anos… era espancado e intimidado com frequencia. Sofria humilhações de alunos e até professores. Cheguei a planejar e fazer uma lista de materiais para a fabricação de uma bomba que explodiria o colegio comigo dentro. Mas a razão me disse que matar não iria mudar nada. O carinho de minha familia tbm me fizeram mudar de opinião. Sonhei muitas e muitas vezes que matava as pessoas que me humilhavam, mas aos poucos aprendemos a conviver com as cicatrizes.
    Hoje tenho 21 anos e ainda sofro pesade-los, que sei que me acompanharão para o resto de minha vida. O mundo é ainda um lugar muito dificil de viver. Por isso nunca vou ter filhos e nunca pretendo casar…só me resta viver…e fazer minha parte nesse mundo de contrastes tão bruscos….